Alípio Ramos Veiga Neto

Áreas de atuação: Marketing, Marketing Educacional, Comportamento do Consumidor e Negócios Internacionais

Consultor de Marketing Educacional e Pesquisa Científica
Em universidades particulares de vários Estados do Brasil

Professor orientador no Mestrado em Administração
UNIFOR - Fortaleza - Ceará – Brasil

Diretor  da Industria Gigaplast
GIGAPLAST - Morungaba - São Paulo – Brasil

alipio.veiga@uol.com.br

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Estamos acostumados com a definição de inteligência ligada àquela medida pelo famoso QI: raciocínio lógico, habilidades matemáticas, habilidades espaciais. No entanto, estudos modernos mostram que outro tipo de inteligência, a inteligência emocional, é a maior responsável pelo sucesso ou insucesso de profissionais, chefes, líderes, pais. Seu sucesso profissional, quer seja sua categoria a de engenheiro ou professor, advogado ou vendedor, é definido em 80% pela sua inteligência emocional e em 20% por seu QI. Em seu livro "Inteligência Emocional", o psicólogo Daniel Goleman, PhD, nos traz este conceito.

por Gilberto Vitor - Copyright © 1997

 

QUOCIENTE DE INTELIGENCIA

(Inteligências Lógica e Lingüística)

Aprendizado na escola tradicional

INTELIGENCIA EMOCIONAL:
(Daniel Goleman)

(Inteligências Interpessoal e Intrapessoal)

Aprendizado na família e no convívio social

Quando Ser Esperto é Ser Burro:

O Q.I. não assegura prosperidade, prestígio ou felicidade

Quem lida bem com os próprios sentimentos e com os dos outros tem maior probabilidade de se sentir satisfeito e ser eficiente.

 

Em seu livro, Daniel Goleman mapeia a Inteligência Emocional em cinco áreas de habilidades:

  1. Auto-Conhecimento Emocional - reconhecer um sentimento enquanto ele ocorre é a chave da inteligência emocional . A falta de habilidade em reconhecer nossos verdadeiros sentimentos deixa-nos a merce de nossas emoções. Pessoas com esta habilidade são melhores pilotos de suas vidas.
  2. Controle Emocional, a habilidade de lidar com seus próprios sentimentos, adequando-os para a situação. Pessoas pobres nesta habilidade afundam constantemente em sentimentos de incerteza, enquanto aquelas com melhor controle emocional tendem a recuperar-se mais rapidamente dos reveses e contratempos da vida.
  3. Auto-Motivação. Dirigir emoções a serviço de um objetivo é essencial para manter-se caminhando sempre em busca, para a automotivação, para manter-se sempre no controle e para manter a mente criativa na busca de soluções. Auto-controle emocional, sabendo praticar gratificação prorrogada e contorlando impulsos, favorece aperfeiçoamento de todos os tipos. Pessoas que tem esta habilidade tendem a ser mais produtivas e eficazes, qualquer que seja seu empreendimento.
  4. Reconhecimento de emoções em outras pessoas. Empatia, outra habilidade que constrói auto-conhecimento emocional. Esta habilidade permite as pessoas reconhecer necessidades e desejos de outros, permitindo-lhes relacionamentos mais eficazes.
  5. Habilidade em relacionamentos inter-pessoais. A arte do relacionamento é, em grande parte, a habilidade de gerenciar sentimentos em outros. Esta habilidade é a base de sustentação de popularidade, liderança e eficiência interpessoal . Pessoas com esta habilidade são mais eficazes em tudo que é baseado na interação entre pessoas. São estrelas sociais.

As três primeiras acima referem-se a Inteligência Intra-Pessoal. As duas últimas, a Inteligência Inter-Pessoal.


  1.  
    1. Organização de Grupos: é a habilidade essencial da liderança, que envolve iniciativa e coordenação de esforços de um grupo. Não é o poder dado por cargos de chefia, mas a habilidade de obter do grupo o reconhecimento de lidarança, o cooperação espontânea.
    2. Negociação de Soluções: O papel do mediador, prevenindo e resolvendo conflitos. Sua caracteristica é a diplomacia. É aquele que argumenta, e busca entender os pontos de vista alheios.
    3. Empatia - Sintonia Pessoal: É a capacidade de, identificando e entendendo os desejos e sentimentos das pessoas, responder (reagir) de forma apropriada de forma a canalizá-los ao interesse comum. Capacidade de motivar, de ajudar pessoas a liberarem seus talentos. Pessoas assim são excelentes gerentes e vendedores.
    4. Sensibilidade Social: É a capacidade de detectar e identificar sentimentos e motivos das pessoas. Este conhecimento de como as pessoas se sentem ou são motivadas ajudam a estabelecer harmonia inter-pessoal.

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL:

 

Para que Servem as Emoções?

Ira - sensação de perigo, de injustiça, de humilhação, de ameaça à autoestima, à dignidade

Medo - os centros emocionais disparam hormônios, o sangue vai para os músculos do esqueleto, impulsionando-o a correr, fugir

Felicidade - a pessoa experimenta a tranqüilidade, o repouso, o entusiasmo e mostra disposição para tarefas imediatas, para marchar rumo às metas

Paixão - uma sensação de descontrole total, não somos donos de nossos atos, entorpecimento.

Amor - sentimentos afetuosos, de relaxamento, calma e satisfação, facilitando especialmente a cooperação

Surpresa - que permite ver mais, aumentando a quantidade de luz na retina

Tristeza - faz fixar a atenção no que se perdeu, mina a energia para começar coisas novas

Depressão - gera um senso de inutilidade, a ausência de alegria, confusão, falta de memória, incapacidade de dormir, desalento, apatia

 

 

Nosso cérebro:

Lado esquerdo enfatiza 

Linguagem, 
Lógica, 
Números, 
Matemática, 
Seqüência, 
Palavras, 
é nosso lado mais racional; 

Lado Direito enfatiza 

Rima, 
Ritmo, 
Música, 
Pintura, 
Imaginação, 
Modelos, 
sendo o nosso lado mais emotivo 

EDUCAÇÃO EMOCIONAL:

A ARTE DE OUVIR - Capacidade de reconhecer os sentimentos

EMPATIA - Capacidade de sentir como o outro se sente

AUTOCONTROLE - Capacidade de controlar as próprias emoções

RESOLUÇÃO DE CONFLITOS - Capacidade de remediar danos emocionais (reparação)

COOPERAÇÃO - Capacidade de integração emocional e interatividade

As lições aprendidas na infância modelam os circuitos emocionais. A boa notícia é que estes circuitos podem ser trabalhados, os hábitos podem ser moldados

 

Conhece-te a ti Mesmo:

Autoconscientes - sabem nomear a emoção

Mergulhados - inundados pelas emoções, tendentes ao descontrole.

Resignados - aceitam o seu estado emocional e têm pouca motivação para mudar.

Somatizadores - sérias dificuldades em nomear as emoções, "sinto-me péssimo...".

 

Emoção negativa

Esmaga a atenção e a concentração

Afeta a capacidade ao aprendizado

Negociantes ansiosos, zangados ou deprimidos não refletem, não compreendem.

A preocupação baixa o rendimento.

 

Ansiedade X Desempenho

A menos trás apatia e pouca motivação e ansiedade

Demais impede o sair-se bem.

 

O humor

Estimula a criatividade e o pensamento

Ajuda a pensar grande

Ajuda a tomar decisões

O otimismo protege da apatia, permite aprender com o fracasso

 

 

Empatia

Permite entender como o outro se sente

Intuir sentimentos pelo tom de voz, gestos e expressão facial.

Causa e efeito: "Veja com ele ficou triste quando você fez isto"

 

Técnicas de Empatia Induzida:

Ajustar-se, igualar-se, acompanhar ou espelhar o comportamento (verbal ou não verbal) de uma pessoa é o processo pelo qual você pode estabelecer EMPATIA INDUZIDA (confiança).

Espelhar-se ou igualar-se é simplesmente manifestar-se como a outra pessoa se manifesta.

O espelhamento com "discrição, elegância e sutileza" enfatiza a importância da percepção de aspectos do comportamento da outra pessoa, permitindo que você a encontre no modelo que ELA tem do mundo.

 

O QUE EU POSSO ACOMPANHAR ?

  1. Acompanhando a linguagem corporal.
  1. Acompanhando a fala.

3. Acompanhando a respiração

A respiração controla o estado interno de uma pessoa num grau elevado.

Acompanhar a respiração de alguém dá a você uma maneira poderosa de se construir uma Empatia Induzida com o estado emocional interno desta pessoa.

 

As Artes Sociais

A competência social:

Deixar o outro à vontade, inspirá-lo.

A maneira como a pessoa diz algo pode levar ao constrangimento ou à descontração

A rapidez na leitura das reações e emoções destaca a inteligência social.

O incompetente social diz uma coisa e faz outra.

O incompetente emocional busca um sinal do outro para então dar a sua opinião, estraga o clima, faz brincadeiras fora de hora, comentários constrangedores.

 

A mímica emocional:

Existe uma mímica motora inconsciente: imitamos a emoção do outro.

Se alguém está irado ou sorridente, os nossos músculos mostram sinais de repetição.

Especialmente as pessoas mais impressionáveis são mais prontamente movidas pelos sentimentos dos outros.

 

Os Gêneros

Meninas recebem mais informações sobre as emoções que os meninos.

Mulheres expressam-se mais facilmente pela linguagem emocional

Mulheres explicam melhor seus sentimentos.

Homens gostam de falar de coisas e as mulheres buscam ligação emocional.

Mulheres lêem sinais emocionais

Homens minimizam as emoções.

Homens querem fazer as coisas, as mulheres querem falar sobre elas.

 

A "boa briga"

Concentra-se no problema.

Fala-se sem defensividade

Ouve-se a mensagem principal e não só a fala hostil.

Desculpa-se quando se percebe que está errado.

É necessário aprender e treinar novas respostas fora da crise, assim elas se incorporam ao nosso repertório

Treine criando situações de humor.

 

Mente e Medicina

Sistema imunológico e sistema nervoso central estão ligados

Pânico e ansiedade fazem aumentar a pressão sangüínea.

Tristeza, pessimismo, hostilidade, ceticismo e desconfiança aumentam o risco de doenças como artrite, asma, úlcera, dor de cabeça.

A hostilidade faz aumentar a propensão à doença cardíaca.

A hostilidade é um hábito e pode ser mudado, aprendendo-se a amaciar a atitude, a regular a raiva no começo.

A empatia é o bálsamo da ira.

O Sorriso é um "santo remédio".


Ensinando as Emoções:

Aprender a lidar com a ira e a tristeza

Respeitar as diferenças.

Aprender a perguntar, a negociar, a ser mais assertivo.

Aprender a nomear a emoção, ver suas expressões faciais, corporais.

Desenvolver:

autodisciplina,

vida virtuosa,

capacidade de motivar-se,

capacidade de enfrentar pressões

capacidade de resolver conflitos.

Falar consigo mesmo

Ler e interpretar as influências sociais

Tomar decisões e resolver problemas

Compreender a perspectiva do outro.

----------------------------------------------------

 

O Prof. Dr. Alípio Ramos Veiga Neto é professor universitário de marketing e psicologia do consumidor. É professor de mestrado e pesquisador em Segmentação Psicográfica, Comportamento de Consumidores e Negociação. Doutor em Psicologia do Consumidor e Mestre em Psicologia Educacional pela PUC-Campinas tem pós-graduação em Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM. É consultor de marketing educacional e desenvolvimento da pesquisa científica em universidades de vários Estados do Brasil. Conta com inúmeros artigos e publicações em periódicos científicos. Desenvolve pesquisas, realiza palestras e treinamentos em aplicação de estratégias de marketing com orientação societal.